Publicado por: miraph | 2 junho, 2009

O Vaticano na rede on line

bentoXVIEm busca de jovens seguidores, a Igreja Católica investe em tecnologia. A linguagem dos tempos modernos é a internet, portanto o Vaticano lança dois aplicativos: um para o iPhone e outro  Facebook (rede de relacionamento virtual, estilo do orkut).

O endereço, onde os dois dispositivos estão disponíveis é: http://www.pope2you.net

O Papa  Bento XVI não admite ficar fora deste discurso tecnológico dirigido a essa geração digital. Segundo declarações na mídia, o Papa acredita que a internet pode ser o canal que trará os jovens novamente para a igreja.

No endereço, a mensagem: “Pope2you” – uma mensagem: “Papa para você”.

Com os novos dispositivos no site, os fiéis poderão trocar mensagens, orações e discursos do Papa Bento XVI. É um canal direto de comunicação com o Vaticano.

Atitude inovadora do Papa de 82 anos. Uma nova possibilidade de relacionamento que se apresenta dirigida ao público jovem.

Agora é só acessar: http://www.pope2you.net

Anúncios
Publicado por: miraph | 2 junho, 2009

Ruptura com a ética e desvalorização da democracia

A possibilidade da reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva para 2010 está descartada. Ou, nem tanto assim? Muita especulação, muita divulgação e pouca ética tem se demonstrado nesta questão política, que envolve as candidaturas à Presidência da República, em 2010. Algo é certo: esse discurso reflete na forma de comunicação das mídias em geral. Se Lula for candidato novamente, pode gerar conflitos democráticos e comunicacionais no país.

 

dilmaDilma Roussef, atual Ministra Chefe da Casa Civil é a candidata do PT, e tem sido alvo de especulações, desde o momento em que seu nome foi anunciado como possível candidata. Agora, em decorrência da doença da Ministra recorrem ainda insinuações de ordem interrogativas sobre a veracidade do quadro clínico da então, candidata do PT. Lula também tem sido alvo de perguntas repetitivas sobre uma possível candidatura, mesmo enfatizando como resposta: “Não!”

No mesmo dia, em que a Ministra teve um mau estar e foi levada para um Hospital de São Paulo, para se submeter a exames, etc…os sites de notícias G1, Terra, UOL, destacaram fortemente a possibilidade da desistência da candidatura em função da doença. Mas baseados em que informação, em que declaração, estes sites chegaram a essas conclusões? Em nenhum deles houve levantamento de fontes, que mencionassem esse tipo de questão.

Há uma preocupação em manter a população bem informada sobre o câncer de Dilma. Por vezes, na comunicação política, a mídia deixa transparecer, que há interesse também no caso da Ministra desistir da candidatura, que a velocidade da informação alcance índices máximos. Não se sabe o grau de importância desta informação, e até que ponto ela irá favorecer alguém seja o atual governo, oposição ou ainda se a opinião pública.

A mídia deixa-se utilizar pelos joguetes políticos. A pesquisa de urna é um bom exemplo  disso, aponta Lula como preferido. Mesmo que o Presidente já tenha declarado, que não vai incentivar a mudança na Constituição para concorrer em 2010. Há toda uma questão de descrédito político, que gera as especulações. A própria mídia divulga situações em que os governos mudam de opinião. Porque Lula não poderia mudar de opinião até 2010? Ele alega que não vai concorrer a novas eleições desde 2007, e mesmo mantendo a opinião em todas as entrevistas, as quais o assunto surge em questionamento. Essa questão de mudança de opinião, também pode ser questionada como uma forma, uma variação de abordagem dos assuntos na mídia. Por vezes, as declarações são distorcidas, por vezes, a opinião do Presidente pode ser mau interpretada, gerando conflitos entre verdade e ética.

Segundo Dominique Wolton, no livro Pensar a Comunicação, política democrática requer capacidade de expressão de opiniões e comunicação entre os atores (homens políticos, jornalistas e público). Para insistir no caráter aberto dessa democracia pluralista, fala-se em democracia representativa, de participação e de opinião.

As especulações são tantas que não há necessidade de garantir a verdade na mídia. O jornalismo trata a questão com certo imediatismo lógico que não é tão lógico assim. É preciso ouvir as fontes, questionar a população. Estudar a Constituição, explicar melhor as questões que vão envolver a ação.

Não são escolhidas fontes seguras para apuração dos fatos. O que se tem veiculado na TV, nas rádios, jornais, revistas e sites são fontes que referem às fofocas midiáticas em torno da política de especulação pré-candidaturas.

Um jogo político da oposição que utiliza a mídia preguiçosa como aliada contra o PT de Lula. E a preocupação com a informação fica em segundo plano. O jornalismo voltado para ética fica em terceiro ou quarto lugar nesta lista de prioridades.

Os políticos se comportam como grandes atores, o senado é o palco do teatro. E cabe ao povo participar deste cenário como espectador. A comunicação política  teria o papel de mediadora, apresentadora, mas em verdade o que acontece, é um espetáculo de inverdades, de fofocas descabidas – focadas em uma segunda intenção bem elaborada.

Torna-se importante o papel da mídia neste contexto de informação política. Concordo com algumas idéias de Dominique Wolton, bases da comunicação política num regime de democracia. Há uma opinião pública alimentada na comunicação política, promovida pelas mídias e pelas pesquisas. A democracia do cidadão era lembrar a importância das idéias, dos argumentos, da discussão, da deliberação… Isso num caráter aberto, pluralista, abrindo espaço para a democracia de opinião.

A imprensa está muito mais voltada para o imediatismo dos fatos, das palavras ditas, de citar o que o deputado que tem lista com 191 assinaturas disse e tal. Mas em verdade, as preocupações precisariam estar mais voltadas para a análise das questões que envolvem um terceiro mandato, ou uma mudança como esta na Constituição brasileira.

lula_positivoA liberdade favorece mais a expressão do que a opinião racionalizada, obrigando a comunicação política a gerir fluxos de opiniões de valores diferentes. Esta idéia de Wolton resume a questão de respeitabilidade de ouvir as opiniões. Quando o tema é comunicação, os tipos de valores diferem de acordo com os públicos. Para os Jornalistas, a lógica do acontecimento, dos fatos, das declarações; para o público, expressar opiniões (é caso de protestos com impeachment, a negação ao referendo e as respostas nas pesquisas) e para os políticos, ela é um elemento de jogo estratégico.

É verdade que há a necessidade de se hierarquizar opiniões e que tal fato leva os jornalistas a buscarem os especialistas. Neste caso, a quem dar a palavra uma vez que os discursos são todos iguais no jornalismo? A imparcialidade deveria ser o que leva a contatar fontes e ouvi-las deixando que o receptor faça o juízo final. Não é o que acontece neste caso de indagações sobre a possibilidade de um terceiro mandato de Lula. Por isso as opiniões tornam-se muitas vezes incrédulas. A comunicação política acaba refém da opinião dos “especialistas políticos”, justamente por não utilizar bem o leque de fontes. Com isso, a expressão pública estagna enquanto cresce a competência de expressão dos peritos. Segundo Wolton, “O perito na comunicação política resolve vários problemas: saber e competência, hierarquia e igualdade, autoridade e poder. No entanto, o crescimento de seu papel é o sintoma de uma crise política.” 

Para os mais exaltados críticos de política do país fica a questão, num contexto de reeleições, temos bons, ou maus exemplos? Lembramos: Fernando Henrique foi reeleito, Lula também. Clinton foi reeleito, Bush também. A representatividade de Barack Obama demonstra o quanto é importante reestabelecer a esperança de democracia de uma nação. Isso sem citar a estratégia de comunicação da campanha de Obama. Mas a forma de comunicação deste político com os públicos é bem representativa.

Publicado por: miraph | 11 abril, 2009

O atual Jornalista não é mais um Inspetor Bugiganga!

3A contemporaneidade do jornalismo se alimenta das tecnologias para produção dos conteúdos digitais. É a era dos dispositivos modernos: pen drives, notebooks cada vez menores, celulares com mil e uma funções, câmeras e gravadores digitais e a internet que chegou ao contexto do uso sem fio.

Se exige muito mais do repórter – é necessário conhecer, além das técnicas de jornalismo, as novidades do mercado tecnológico. Em verdade, a miniaturização dos equipamentos permite ao repórter ter todos os recursos de produção (busca de informações, entrevistas, edições, publicações) na palma da mão, por exemplo.

O repórter pode trabalhar a distância, pois a internet possibilita o upload dos conteúdos produzidos para TV, rádio, publicações on line ou impressas. O tempo para a publicação do conteúdo é o tempo real, e as rotinas jornalísticas se concentram no repórter que terá possibilidade de produzir muito mais: a pauta, a foto, a busca de informações indo até a publicação.

O jornalismo atual se adapta a “multimidialidade”. A forma de produção da notícia se modifica com a complexidade dos meios e esbarra na pluralidade dos formatos jornalísticos.

Ricardo Machado, estudante de jornalismo da Unisinos, considera que para a prática jornalística são indispensáveis uma câmera digital, o velho lápis e papel. “Uma vez tendo essas ferramentas, é possível ir para um local onde haja rede de internet (lan house, biblioteca, casa, trabalho, etc.) e possibilitar à “notícia” a potencialidade de tornar-se mundialmente conhecida” diz ele.

Mesmo mantendo o bloco de notas para os rabiscos e o velho lápis, como mencionou Ricardo, o Jornalista atual precisou adaptar-se a uma nova realidade. Isso se comprova nos currículos das universidades que inseriram disciplinas com programação voltada para multimídia, audiovisual e novas tecnologias para comunicação. Na Unisinos, a disciplina de Audiovisual e tecnologias faz com que o aluno vivencie na prática cada ferramenta tecnológica – desde softwares aos diversos dispositivos como câmeras, celulares.

Além do talento e da competência para desempenhar a função de repórter, o jornalismo exige dos profissionais conhecimentos em softwares de edição de imagens, áudio e articulações de postagens e publicações online.  Em tempos de web 2.0, e da velocidade de informação, interatividade colaborativa há uma inversão de valores para a notícia. O que antes seria um grande furo de reportagem, e talvez manchete de capa impressa, hoje quando lançada na rede se transforma na notícia velha de minutos atrás.

Para o professor de Jornalismo Juan Domingues, as lembranças de como eram as produções de reportagens são curiosas, e nos servem como parâmetros para avaliar esta evolução tecnológica: “Naquela época, nem tanto tempo atrás, nós tínhamos que adaptar as tomadas dos hotéis para poder plugar os computadores que não tinham os designers compactados de hoje em dia. As máquinas eram grandes e não existiam as câmeras digitais ainda. O banheiro do hotel era transformado em estúdio para revelação das imagens e proibíamos a camareira de entrar para fazer a arrumação”, diz.

 

 

 

 


Publicado por: miraph | 8 abril, 2009

Uma Eleição Presidencial Muito Louca

figura1As aulas de Radiojornalismo Experimental da Unisinos nos permitem viajar um pouco e buscar histórias nunca antes imaginadas – Eleições Presidenciais no Brasil em 2010, até aqui tudo bem – é fácil imaginar. Mas imaginem, agora os candidatos: Homer Simpson e Seu Madruga. Isso mesmo, as estrelas dos seriados são os candidatos – despreendidos de preocupações complexas ambos esbanjam ousadia nas propostas. Para apresentá-las propomos um debate político tradicional.

O mediador deste debate de rádio – Lasier Martins com uma supercobertura do último debate realizado antes das eleições – tudo indica que será em Porto Alegre. Quem você acha que vence essas eleições??

O programa está em andamento, a produção está preocupada com os detalhes…

Fazem parte desta superprodução: Patrícia Spier, Émerson Vasconcelos, Adriano Mazzarino e Michelle Raphaelli. Sob coordenação do professor Sérgio Endler.

Ahh…e só para mexer um pouquinho mais com a imaginação – as vozes na rádio são as originais…aguardem maiores informações!!! Publicarei o material pronto, após a finalização.

Publicado por: miraph | 8 abril, 2009

N97 versus Iphone

O N97 tem sido constantemente comparado ao iphone da Apple – após a divulgação da Nokia em Barcelona no final de 2008 – as comparações já começaram instantaneamente. Mas o que de fato fazem crescer estas especulações? 

nokia-n971

O iphone tão esperado e com uma estratégia de Marketing compacta e bem pensada pela Apple traduziu a expectativa do consumidor através das filas para a compra do aparelho nos EUA. As especulações em torno do N97, talvez esteja ligada a uma jogada de marketing da Nokia, que bem ou mau, tem uma posição de mercado mais popular que a Apple. Os executivos da Nokia não mencionam este fato, mas não reprimem as comparações e especulações.  As comparações são positivas para o N97.

A nova aposta da Nokia chega ao mercado para acompanhar o desenvolvimento dos celulares touchscreen. O N97 segundo, os assessores da Nokia tem capacidade para competir no mercado com iphone, o BlackBerry Storm e o G1 Android.

Segundo Juciane Ramos, responsável pela área de telefonia de uma rede lojas no RS, o N97 vem suprir as necessidades tecnológicas do N95, em verdade. “O N97 não se compara com o iphone em função do marketing desenvolvido pela Apple”, diz ela.

Para Juciane, o que é competitivo entre N97 e o Iphone – são os valores de lançamento de mercado e as características e funcionalidades dos aparelhos.

As inovações de ambos – tanto o Iphone quanto o N97 devem muito ao designer, a Nokia inova e traz para o N97, um formato parecido com o Notebook, o teclado Qwerty desliza, a tela inclina 39 graus e o celular posicionado na horizontal dá a impressão de ser um mini note.

Os executivos da Nokia não usam da modéstia para definir as qualidades do Celular – “é o mais avançado celular do mundo”.

Os benefícios do N97:

Tela de 3,5 polegadas sensível ao toque: exibe as pessoas, o conteúdo e a mídia mais importante para o usuário;

A Câmera digital tem 5 megapixels com qualidade profissional e ajustes conforme a necessidade do usuário;

Para os executivos da Nokia um dos pontos importantes do N97 é a possibilidade de suporte para redes HDSDPA, Wi-Fi e Bluetooh;

O N97 possui  GPS integrado;

Memória interna de 32 GB e pode ser expandida com cartão microSD;

A bateria tem capacidade para 1,5 dia para áudio e 4,5 horas para vídeos com a mesma qualidade de DVD;

Inovador sistema Social location, este serviço é capaz de integrar mapas, buscas e informações de redes sociais;

Point and Find permite que o usuário Aponte o celular com câmera digital para um determinado local, por exemplo – um ponto turístico – e os serviço point and find trará informações históricas sobre o lugar.

São essas e outras características que fazem do N97 um concorrente de mercado para o BlackBerry Storm e o G1 Android. Mas para o iphone que tornou-se no início do segundo semestre de 2008 o celular mais esperado do mundo – talvez seria necessário um investimento mais alto em marketing.

imagem_nokia_vs_iphone

A Nokia lança o N97 que deve chegar ao Brasil no semestre de 2009 e o valor estimado para venda deve ficar em torno de R$ 2.700,00. Na Europa o N97 chegou em janeiro de 2009, e é vendido por aproximadamente 550 euros.  

Vamos aguardar o lançamento por aqui!

Publicado por: miraph | 3 abril, 2009

Dose Dupla de Descrédito

Celso Roth - Técnico Grêmio

Celso Roth - Técnico Grêmio

Dunga - comanda uma seleção de luxo!

Dunga - comanda uma seleção de luxo!

Publicado por: miraph | 26 março, 2009

8 ou 80…devaneios!

Jornalequeira em surto! rsrsrs

Jornalequeira em surto! rsrsrs

Viver intensamente cada momento ou deixar que no minuto seguinte o que era especial transforme-se em algo bastante cotidiano, comum é motivo de reflexão. Dedicar-se a fazer alguma atividade requer no mínimo uma certa euforia. Estar motivado é o lado oitenta. As vezes esquecemos que somos fontes motivacionais e precisamos ativar nossos pensamentos para tentar deixar oitenta quem está rondando o nível oito!! Um balde de água fria nas ideias só é bem vindo se for para ativar os neurônios adormecidos pela rotina. Ser 8 ou oitenta é ser instável! Chega de blablablá…quem ler estas poucas linhas vai pensar que sou uma “abobada” lúcida…aliás o relógio marca 01:03 da madruga- estou sem sono e então, o que me resta… … é…pensar em: 8 ou 80… ficar ou namorar… H2O ou Téquila… real ou dólar… morrer ou viver… criticar ou elogiar… sorrir ou chorar… dormir ou acordar… escrever ou falar…

Publicado por: miraph | 24 março, 2009

ZH publica entrevista com Otélio Drebes

A Zero Hora de Domingo (22/03) publicou a coluna Crachá com Otélio Drebes, diretor presidente da Rede Lebes.

Abaixo segue a publicação:

Conteúdo da Coluna Crachá

Publicado por: miraph | 21 março, 2009

Entrevista em tempo de Bahdaladas

Algumas das Entrevistas realizadas pelo Site entre 2003 e 2005

Algumas das Entrevistas realizadas pelo Site entre 2003 e 2005

Houve um tempo em que entrevistar, fotografar era coisa de amadoras e que fazíamos por feeling, por facilidade espontânea. Houve um tempo que trabalho era divertimento e o compromisso de comunicar com exclusividade era a busca da perfeição. Tentávamos, e bem que conseguimos sucesso.

O bahdaladas.com.br deixou saudade na Região Carbonífera – um site em que as pessoas se encontravam após os finais de semana bahdalados. No site continham fotos, matérias, entrevistas e agenda de eventos – além da coluna social e uma vasta margem para comentários e fofocas que se estendiam de segunda – feira (quando atualizávamos) até o próximo final de semana.

Bandas do RS como a Chimarruts passaram por nosso clicks e entrevistas

Bandas do RS como a Chimarruts passaram por nosso clicks e entrevistas

As entrevistas do shows que eram protagonistas do site – eram as funções de maior correria – tínhamos que fazer os contatos, agendar e muitas vezes nos deslocavámos até Porto Alegre em busca da exclusividade e da publicação antecipada. Acho que o pessoal curtia também e nós, as bahdaladeiras,  adorávamos e aproveitando a oportunidade colocavámos em prática os ensinamentos teóricos da faculdade.

Salve, salve bahdaladas – não existe mais no mundo virtual, mas permanece na lembrança de todos e quanta honra em tempos de banda larga, 3G – orkuts. Naquela época – isto tudo era bem precário, banda larga era luxo – e câmera digital se comprava em 10x. rsrsrs

 

Frejat no show em São Jerônimo - Fotos Exclusivas

Frejat no show em São Jerônimo - Fotos Exclusivas

Saudade!!!

Publicado por: miraph | 4 março, 2009

Verdade?

Projeto de Vídeo para disciplina de Audiovisual e Tecnologias.

Salve salve o grupo que trabalhou para o resultado: André, Marcelo, Manu, Ricardo e Eu.

Abaixo o vídeo.

Older Posts »

Categorias